segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Nego. Nego. Nego.

"Antes que o galo cante, três vezes me negarás", disse Jesus para Pedro.

A ética é sempre mais fácil no abstrato do que no concreto, no passado do que no presente, para outros do que para nos. Sobre os problemas de ontem, é fácil afirmar: eu teria escondido os judéus dos nazistas; defendido os comunistas de McCarthy; tolerado os homossexuais; enfrentado as tribunais das caças as bruxas.

Não é tão fácil assim. Muitas pessoas boas, em muitos tempos, somente assistiram quando "eles" vierem buscar seus vizinhos. Ficaram em silêncio quando os porta-vozes de poder espalharam ódio. Até santo sofre de fraqueza humana.

As bruxas de nosso tempo são outras, e o perseguidores de plantão se vestem de nobreza, como sempre fizeram. É nosso dever enfrentar-los, de amarrar os demónios de nossos dias, de agir conforme a conciência, com a coragem que Deus nos deu, e a serenidade que Ele está ao nosso lado.

Mas não é facil. Ninguém nunca disse que seria fácil.

E como agiu o povo de Morro da Pedra, quando Fritz, Barbara, André e Cleci foram todos "pego pra Cristo?"

Não os negaram, não os entregaram, não inventaram as acusações que a polícia e a promotora tanto queriam. Ainda sabendo que estariam eles mesmos acusados, se não acusaram, ficaram firmes.

Agiram melhor que São Pedro agiu, quando a polícia levou Cristo sob acusações falsas.

Três negações

Temos hoje a noite três negações. Não negando os acusados, mas negando as falsas acusações. Negando aqueles que, sob o pretexto de "proteger" jovens, os amordaçaram, para que pudessem falar mentiras em seus nomes.

Chegando aos seus 18 anos, os jovens poderiam falar em nome próprio, e assim fizeram. Seus nomes são Douglas Anner Louderback, Cleiton Daniel Rosa da Silva, e Oziel Moreira. Listo os nomes aqui, e creio que estão e serão listado em lugares mais nobres do que este.

E não importando o que eles façam ou deixem de fazer daqui em diante nesta terra, no dia em que eles estiverem em frente de São Pedro no portão do Céu, não são eles que terão de abaixar os olhos.

domingo, 30 de agosto de 2009

What is Colina do Sol worth?

Potential foreign investors may be hearing proposals to "invest in Colina do Sol". The first question asked should be "What's it really worth?" Skip the next paragraph, and find the answer.

Visitas recentes ao Colina do Sol foram inundados com propostas de comprar algo - cabanas, títulos, concessões, etc. Há uma boa chance de que Celso Rossi está procurando um "investidor" para lhe salvar. Tal pessoa precisaria muito dinheiro no bolso, e pouco conhecimentimento na cabeça, tanto de imóveis no Brasil quanto do Colina do Sol e Celso. Que indica estrangeiro. Então um postagem no inglês.

What is Colina do Sol composed of?

Colina do Sol is a naturist resort in the south of Brazil, composed of somewhere between 42 and 60 hectares of land. The most recent surveyor said 42; the last map, from 2001 measures out to about 60. There is an unfinished hotel, a restaurant, and about 108 homes on the land.

There's a lien for somewhere between R$300,000 and R$691,284.58 on 25 hectares of the land, and that should go to auction sometime soon - t

Potential foreign investors may be hearing proposals to "invest in Colina do Sol". The first question asked should be "What's it really worth?" Skip the next paragraph, and find the answer.

Visitas recentes ao Colina do Sol foram inundados com propostas de comprar algo - cabanas, títulos, concessões, etc. Há uma boa chance de que Celso Rossi está procurando um "investidor" para lhe salvar. Tal pessoa precisaria muito dinheiro no bolso, e pouco conhecimentimento na cabeça, tanto de imóveis no Brasil quanto do Colina do Sol e Celso. Que indica estrangeiro. Então um postagem no inglês.

What is Colina do Sol composed of?

Colina do Sol is a naturist resort in the south of Brazil, composed of somewhere between 42 and 60 hectares of land. The most recent surveyor said 42; the last map, from 2001 measures out to about 60. There is an unfinished hotel, a restaurant, and about 108 homes on the land.

There's a lien for somewhere between R$300,000 and R$691,284.58 on 25 hectares of the land, and that should go to auction sometime soon - the appeals and delays have been exhausted. Also, the hotel has a mortgage on it currently at about R$300,000.

How can I tell what's on the part with the lien?

I've spent quite a bit of time trying to figure that out, and I don't know. Land documents give only areas and the names of neighbors or former neighbors. They don't give GPS points, they don't give the length of borders, they don't give the angles of corners, they don't list landmarks. The area is composed of about 9 parcels, five of which have the lien against them, and one of those has the mortgaged hotel. Of those nine parcels, one is triangular, and the description gives no hint of that. Some of the parcels that are listed as part of Colina clearly have other owners.

Essentially, it's a pig in a poke. There are half-a-dozen nice homes, but you don't know which part they're on.

What is similar land nearby worth?

Elaine at real estate firm Alice +55 51 3541-0400, showed me her listings for rural land. Two seemed fairly comparable, one in Fazenda Fialho, which is not far from Morro da Pedra, and 15 KM from the asphalt (Colina do Sol is about 12), and another in the direction of Rolante. Both about 25 hectares - 62 acres - which is what is under lien:

  • (ref 2172) Parada 111, 15 Km from asphalt, 26 hectares, sheds, henhouse, chalet plus masonry annex, entire area usable, truck can drive to crop area, three perennial ponds, fields, planding fields, pastures, raise cattle, a little virgin forest, eucaliptus, electricity, artesian well, fenced. Beco Agua Santa, 2590 - parada 111 - RS020. Fazenda Fialho - Value R$370,000
  • (ref 1378) Wood house, green with brown, +-25 Ha, 21 being usable in field and hill, vertente and arioio [streamside?], artesian well and shed. All fenced. Three-phase electricity. more than 110 meters on road. Rua Rio da Ilha - 25 ha - Padilha. Value R$138,000.

The second is a farther from Morro da Pedra, and if I remember about 20 km from the asphalt. So those are two comparisons, and like all real estate listings, might come down if offered cash. The number for the first is R$14,200 the hectare; the more distant place is only $5,520. Knowledgable people here tell me in the area of Colina the going price is about R$8,000/hectare, going down to $5,000 for poor agricultural land - which much of Colina is.

So for a roll-your-own nudist camp, there are comparison prices. The part of Colina going up to auction is worth about R$200,000 as raw land. The whole 42 hectares as raw land is R$340,000.

What are the trees worth?

The land is registered as a tree farm. If you look at Google Earth, you see perhaps R$400,000 worth of trees. But Google Earth is out of date - a lot of those were cut last year. The money didn't show up on Colina's financial statements, but the trees are gone. What's left is worth maybe R$100,000, above and beyond the price of the land.

What are the improvements worth?

A leading local surveyor claims the electric instalations are worth R$120,000. On the houses he says, "Some are worth R$8,000, some R$10,000, some R$100,000. I'd have to survey onsite." People who know say there are half-a-dozen nice houses, and of the rest, about half are salvageable.

The hotel is roughly half-built - the shell is there and the lowest floor is finished. It would take around R$250,000 to finish at current rates.

Are the constructions properly approved by the government?

Not a single one. According to the city of Taquara, everything there, including the hotel, is officially "under construction". I hear different things about if and how it could all be legalized. One source says illegal subdivision is six months in a Brazilian prison, and a project to legalize it all is R$100,000. The City of Taquara Corporate Counsel says there are other ways.

Can 500 homes really be built there?

The critical factor is septic systems. It doesn't look anywhere near possible to me, but I'm not an expert, and have been unable to to have someone do a perc test.

Do investments need to be made?

The lake needs to be cleaned. No study every seems to have been done of power and water needs for the hotel, many of the houses are in poor repair or unrepairable. There's no year-round pool.

Is it a safe investment?

Well, the largest investor in the hotel was killed, another couple fled Colina, several foreigners found it prudent to leave, four had false accusations made against them by Colina's management and one had a firebomb planted in her chimney inside Colina ...

Oh, you meant is your money safe?

Are there any other pending problems?

Well, the false accusation were made by the Colina directors, and they sent their lawyer to watch the trial. It's hard to separate the association's actions from that of its directors. There may be large lawsuits, for far more than the total value of the property.

What's it actually worth, all together?

Possibly worth as much as R$800,000 to R$1,000,000 if you can get it all, not only the 25 acres with the liens but the rest too.

And of course if you can get it without the current management, and without Celso Rossi. With them, your investment will be worth nothing at all.

sábado, 29 de agosto de 2009

Serpentes no Jardim

Darlei Zanin compartilhou seus pensamentos sobre a Colina do Sol e sua crise atual. Defendeu o conceito de um refúgio naturista na Serra Gaucha, que (pela data das suas fotos) ele encontrou ainda este ano. Prega, em outro postagem de Orkut, que este idéia e este lugar sejam preservados. Diz que somente os interessadas sabem da verdade, que é um só. Questiona se o que é aqui veiculado não é ataques sucessivas e parciais. Termina sugerindo que o atitude certo é aguardar a Justiça.

Creio que estes sejam seus pontos principais, e vou responder a estes idéias, sem descer para o recurso pobre de tentar distorcer suas palavras.

"O segundo jardim do Éden"

Ouvi de várias pessoas de que a Colina do Sol já foi aquilo que é apresentado na propaganda: um lugar de paz e convivência harmonioso, um refúgio dos problemas de dia-a-dia.

Já foi. Os com que eu trabalho gostariam que voltasse a ser aquilo. Trabalho neste caso com Silvio Levy, cujo investimento na Colina do Sol é muito maior do que de qualquer outro, somando em volta de 40% dos "títulos patrimoniais", e 62,5% dos "concessões residencias". A pretensão dele é que o sonho vira realidade, que a lugar volta ao que foi e ainda cresce, e que a paz seja verdadeira, que a finanças sejam colocados num base firme em vez de continuar uma esquema Ponzi que ainda não estourou. Ninguém tem mais interesse nisso do que ele.

Para detalhes sobre porque isso é impossível com a administração atual, lê o blog. Digo somente que o paraíso que Darlei enxergou nas suas viagens, e o que outros dizem que encontrem no passado, é o que Silvio quer de volta.

Darlei, ou qualquer outro, que visite se quiser - já até coloquei no Orkut notícias de entrada por meio-preço.

Porém, se for oferecido qualquer "título", "concessão", ou maça - recuse.

Quem sabe realmente da verdade são as partes interessadas

Em 11 de dezembro de 2007, quatro pessoas - Fritz Louderback, Barbara Anner, André Herdy e Cleci Ieggli da Silva - que residem ou já residirem na Colina do Sol foram presos sob acusações de abuso sexual de menores.

Como Darlei falou, as partes interessadas sabem a verdade. Os acusados negam abuso. As "vitimas", que seriam os primeiros a saber, também negam. Todas as crianças negaram quando falaram na Justiça, menos um. (Em tempo: este disse que tinha me visto na casa de André antes das prisões, e eu não tinha passado em Rio Grande do Sul faz quinze anos; e disse que nadou na piscina do Fritz. Fritz não tem piscina. Onde podemos comprovar, sabemos que ele mente.)

Os menores e seus familiares fizerem um manifestação em frente ao Fórum de Taquara em abril do ano passado pedindo liberdade para os acusados.

Esta ultima semana, três das "vitimas", que chegaram aos 18 anos, aproveitando do fato que não são amordaçados pelo "sigilo da Justiça", e que nem o Ministério Publico nem o Conselho Tutelar podem mais falar mentiras no seus nomes, fizerem declarações públicas de que nunca foram abusados, e que pedindo que as acusações sejam retiradas.

Sobre as provas matérias, juntei aqui o relatório da FBI sobre o computador de Fritz, com tanto o inglês quanto o "informatiques" traduzidos, e com links explicativas. Os relatórios dos peritos brasileiros também apontam uma falta total de pornografia infantil, ouvi falar de fontes confiáveis, mas dado o "sigilo da Justiça", não posso aqui postar.

As partes interessadas, os que sabem, dizem que não houve abuso. Dizem publicamente, disseram na Justiça, disserem quase todos na Polícia apesar de serem coagidos.

A verdade é um só

Concordo plenamente com sr. Darli nisso. Um grande falha da imprensa brasileira é a idéia de que toda história tem dois lados, e tudo é "versão". Aliando com a crença cega no "fonte oficial" (se fontes oficiais fossem confiáveis, não precisaríamos uma imprensa livre) geralmente resulta num acusação sem prova colocado como fato no manchete, e uma defesa apoiado em pilhas de documentes e pelotas de testemunhas enfiado no pé de coluna como "alegação".

A verdade é um só: os acusados no caso Colina do Sol são inocentes, os crimes nunca aconteceram.

Serpentes no Jardim

De onde, então, partiram as acusações? Partirem de dentro da Colina, de moradores e diretores do Clube Naturista Colina do Sol, todos os quais, pelas relatos que ouvi, não confirmarem na Justiça o que disseram na polícia.

Porque estes "Colineiros" fizerem acusações que não repetirem na Justiça, pois souberam da sua falsidade? E falsos são, pelo relatos de todos que saberiam a verdade, e pela todas as extensas examinações das evidências.

Semana que vem, explico os motivos. E publico as provas, como é sempre nosso hábito aqui.

Justiça atrasada é justiça negada

Darlei diz que "Justiça será feita, tarda mas não falha, quando se está tomando providências, o que resta as partes interessadas é aguardar." O tempo passa. É para aguardar quando você está na cadeia, ou quando não poder retomar a vida, ou quando está sendo ameaçado diariamente por um seqüestrador armado, passa lento.

Cristiano banido

Ontem, o Clube Naturista Colina do Sol baniu Cristiano Fedrigo, que mora na casa do Fritz e Barbara, depois da morte da sua mãe, Nedy, ainda que há uma decisão da Justiça permitindo tal.

Lê o link sobre Cristiano, por favor. Vejo o tipo de pessoa que ele é.

Uma semana antes da morte da Nedy, ela foi avisada por seu médico de que se ela não se afastasse do estresse provocado pela constante hostilidade da Colina, do seus Conselhos e seu Diretor de Disciplina e o restante da corja, isso lhe mataria. Como assim matou.

A carta banindo Cristiano disse que não pudia entrar, sendo que não é sócio nem filho de sócio: sua mãe era sócio. O recado é claro: "Matamos sua mãe, e agora vamos tirar você da sua casa".

Lê a matéria de Seleções sobre Cristiano, e imagina: que estirpe de gente é este, que tenta banir um jovem destes?

Este gente suspendeu os diretos de sócio de Fritz e Barbara (mas não suspendeu a cobrança ...); suspendeu Andre Herdy, então Presidente da FBrN; suspendeu Cleci, uma das sócias mais antigas, na base de "nós lhe acusávamos, e nem nós nem mais ninguém sustenta isso na Justiça, mas nós (e somente nós) lhe acusávamos." Suspendeu Silvio Levy, dona de metade da Colina, pois defendeu publicamente quem lhes acusaram sem fundamento. Processaram ele, e a Justiça disse que escrevem em jornal não é crime. Mas o que é decisão de Justiça para a Colina do Sol?

Que estirpe de gente é este?

É para aguardar?

Darlei, você dirigiu uma série de considerações, pertinentes no momento. Respondi de forma direta, citei fatos, e assino embaixo.

Peço, então que pelo email, ou na sua próxima visita, você fizer as mesmas perguntas ao atual direção do Clube Naturista Colina do Sol. Perguntam porque eles não aguardam a palavra da Justiça, respeitando a presunção de inocência de todos que acusaram e todos que apoiaram os acusados, até o final do processo. Pede que evidência eles tem da culpa dos acusados. E pede que assinam em baixo, com eu assino.

Sei que peço muito. Pela maneira que agem, eles vão se refugiar atrás de "sigilo", ou oferecer boatos sussurrados. E depois vão te banir.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Um lugar que foi criado para contemplação e descanso

Temos hoje da manha uma pensamento do Sr. Darlei Zanin, que ele postou no grupo Colina do Sol no Orkut, e que me deu permissão de publicar aqui.

Darlei traz pensamentos sensatos e questionamentos pertinentes. Vou tentar responder as perguntas dele mais tarde. Tanto eu quanto os leitores merecem tempo para contemplar o que ele tem a dizer.

 

Acredito que necessitamos da "imprensa" para informações.

Mas também acredito que muitas vezes ela se torna tendenciosa ao invés de informativa.

Infelizmente, ao que me parece, está acontecendo ataques sucessivos ao invés de informações que possam dar liberdade a opinião pública.

Apenas o que sei, independente de tudo que está acontecendo, que a verdade é uma só e quem sabe realmente dela, são as partes interessadas.

A Colina foi uma grande idéia criada para pessoas que realmente amam estarem nús, seguindo uma filosofia de vida diferenciada.

Que se resolvam os problemas entre as partes que são interessadas e que por favor, não sejam partidários tentando estressar quem busca a Colina para viver momentos de paz consigo mesmo.

Acredito que como eu, muitas pessoas que vão a Colina estão interessados a momentos de lazer, longe de tudo o quanto é problemas e situações que devem ser resolvidas no cotidiano.

A informação é importante, mas deve ser imparcial, pois não necessitamos ler termos chulos e ataques dirigidos, independentes de atitudes já tomadas ou não, isso quem deve medir é somente nós, que estamos do outro lado da tela, fazendo o favor de dar a devida atenção a quem escreve o artigo.

Espero que seja levado em consideração a nossa opinião e a nossa educação, justiça será feita, tarda mas não falha, quando se está tomando providências, o que resta as partes interessadas é aguardar. E nós, continuar aproveitando um lugar que foi criado para contemplação e descanso e socialização de naturistas, pois ainda sabemos que somos nós que fizemos o ambiente que freqüentamos.

- Darlei Zanin

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

"Já sequestrei, já roubei, e já fiz coisas piores."

Nossa título de hoje é cortesia de João Ubiratan dos Santos, vulgo "Tuca". Ele se diz leitor do blog, mas que não gosta.

Porém, ele pediu maiores esclarecimentos sobre o assunto de calunia, injúria, e difamação. Sendo que aqui tentamos atender os interesses dos leitores (grande parte dos quais procura informações sobre a pedra grés, produto típica de Morro da Pedra), vamos adicionar um pouco aos nossos explicações anteriores.

Sr. Tuca não gostou de que sua ficha criminal foi aqui exposta. Com já dizemos, com nota de rodapé: problema dele. A lei permite, explicitamente. Afirmei e comprovei, e ponto final.

Porém, nunca aqui diz que Tuca roubou. Foi da boca dele que ouvi isso pela primeira vez. E que fez "coisas piores", eu já ouvi de que, quando Tuca tinha bebido, ou queria por medo em alguém, ele afirmava isso.

Dá para acreditar? Sr. Tuca é um fonte confiável de informações? Nem quando sejam sobre ele mesmo?

Vamos examinar uma afirmação dele, ainda que não ouvi diretamente dele. Tuca afirma, conforme relatos, que ele seja dono do terreno do Camping, que "comprou do Celso Rossi". Esta afirmação serve, sócios da Colina me contam, para que Tuca não paga sua conta de luz - é rateada entre os outros moradores do condomínio. (Confesso que a lógica disso me deixa perplexo. O leitor que segue a lógica, e é dono do seu terreno, favor levar sua próxima conta de luz para seus vizinhos sugerindo que eles fazem "vaquinha" para pagar. Me mande o resultado, e eu imprimo aqui.)

Aqui fazemos jornalismo: buscamos fatos para não ficar no diz-que-diz. Vamos ver.

  1. No Registro de Imóveis de Taquara, e no Tabelião de Taquara, não consta nenhum imóvel no nome de João Ubiritan dos Santos.
  2. Conforme o "CONTRATO DE CONCESSÃO DE USO VITALÍCIO DE ÁREA RESIDENCIAL" que foi "Reviewed and Approved for Internet by DA&DC 29/09/2004":
    II - DO IMÓVEL OBJETO DO CONTRATO
    II.1. O CONCEDENTE [CNCS] é proprietário e possuidor de um imóvel no município de Taquara/RS, em uma área conhecida como “Colina do Sol”, localidade de Morro da Pedra, com a área total aproximada de 50 ha, composta por diversos títulos, entre eles: Matrícula 46.485, Livro 3AR; Matrícula 23.723, Incra 852.120.017.361; Matrícula 21.172, Incra 852.120.021.261; Matrícula 21.173, Incra 852.120.021.114; Matrícula 9.854, Incra 852.120.034.533; Incra 852.120.034.533-8, descrita na escritura de 16.05.89 do Tabelionato de Taquara, e outra descrita na escritura do Livro 42C, folha 17v e 18, em 07.02.90, do mesmo Tabelionato.
  3. O imóvel Matrícula 46.485, Livro 3AR é descrito na matrícula, em 1972, como 23.533 m2 sendo de JOSÉ ANTÔNIO DA SILVA e "confrontando-se ... a leste com terrenos de Eugênio Franciso da Silva e ditas de Marcelo Farias."
  4. A matrícula 18.973 é descrito em 1984 como sendo de Eurico Odorico Farias e outros, e "com os seguintes confrontações: ...a Oeste, com ditas de José Antônio da Silva". Foi repassado ao DÊCIO JOSÉ SCHIRMER, e agora está nas mãos dos seus herdeiros.
  5. A terra dos Shirmer está logo ao leste da portão da Colina - o Beco de Araújo passa por seu terreno.
  6. O filho do José Antônio da Silva, com quem conversei hoje mais ou menos ao meio-dia, lembra que as terras do seu pai são uma "uma tira estreita" que vai da borda sul até o norte, especificamente incluindo a área atrás do portão. Que é a área do Camping. O filho até trabalhou para Paula quando nem a cabana dela esta pronta ainda. Porém, achou R$100/mes e um saco de mantimento insuficiente, e saiu.
  7. Confirmamos então que Tuca não tem terra no seu nome; o Camping fica na terra do Matrícula 46.485; conforme documento aprovado por várias dos conselhos da Colina, e constando em contratos assinados por várias compradores, a terra da Matrícula 46.485 faz parte dos terrenos comuns da Colina.

É claro então que a terra do Camping não pertence ao Tuca.

O estudante de lógica, ou o seguidor fiel deste blog, ou alguém que já fez negócios com Celso Rossi, enxerga logo o erro. Eu presumo que, simplesmente porque Celso Rossi já tinha "doado" as terras da Colina para CNCS, ele não poderia vender a terra de novo para Tuca. Como a terra de matrícula 2025, que Celso já tinha dito para os compradores dos seus "títulos" e "concessões" fazia parte da área comun, ele usou como seu investimento total no empreendimento Ocara.

O assunto da terra do Camping é um que talvez sr. Tuca deveria conversar com Celso Rossi. Tendo em mãos uma cópia impressa deste blog - o fonte de informação mais completo e fiel sobre o assunto.

Passei no portão ontem a noite. Encontrei um "Colineiro" de quem nunca tinha ouvido falar antes. Não consta na minha lista de autores de denúncias falsas, mais vou conferir. Ouvi depois que "ele é a próxima" que a corja da Colina vai devorar. Poder ser mais vítima do que vilão, então preservo o nome dele aqui. Até aqui repasso o aviso para ele.

Deixamos ao critério do leitor - e de qualquer um que pensa em por os pés onde esta figura é "Diretor de Disciplina" - responder por si a pergunta: Tuca diga que fez coisas piores que seqüestrar e roubar. Verdade ou não? Matou ou mentiu? Você decide.




POLICIA CIVILTAQUARA FOLHA 1
ORGÃO 15054 - TAQUARA - DPPA
OCCORÊNCIA 3126/2009SIMPLES 26/08/2009 23:40:41
Registro :26/08/2009 as 20:57 horas COMMUNICAÇÃO: PESSOAL ABERTA
FATO :CONSTRANGIMENTO ILLEGAL - ABUSO DE PODER CONSUMADO 
LOCAL : ESTR GROTA S/, COLINA DO SOL - TAQUARA RS - BRASIL
OUTROS
CONDOMINIO COLINA DO SOL
 

HISTÓRICO: Comunica que ao chegarem na portaria do condomínio onde mora a 08 anos foram empedidos de entrar pelo acusado que deu ordens ao vigia conhecido por Paulo para obstruir a entrada do comunicante e seu amigo Richard. O acusado também atrevessou seu veículo na estrada para que não passaram o comunicante, sua companheira e seu amigo Richard estava sem poder entrar em sua casa por decisaõ de um conselho reunido no Condominio o qual tomou a decisão de quem pode ou não entrar na casa do comunicante. Deseja respresentar contra o acusado. Foi constrangido na presença de outros moradores do condomínio.




PARTICIPANTE: 1 - VÍTIMA PRESENTE
  FREDERIC CALVIN LOUDERBACK
 
PARTICIPANTE: 2 - VÍTIMA PRESENTE
  RICHARD HARROD PEDICINI
 
PARTICIPANTE: 3 - ACUSADO NÃO PRESENTE
  JOÃO UBIRATAN DOS SANTOS

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Notícas: da Colina do Sol, do Mundo da Lua

A Colina do Sol informou que em seu aniversário estaria presente o Sr. José Antônio Tannus (que mora em Goiânia e mostraria o prestígio da CNCS com esta vinda), novo presidente da FBrN, porém, ao invés dele, veio somente o Marcelo Pacheco (que mora aqui mesmo em Gravataí). Falou que estariam presentes centenas de pessoas; talvez houvesse dúzias. Afirma que tudo vai bem. Mas o que se pode verificar, é as informações são sempre do Mundo da Lua. Não se pode confiar em nada que sai da corja da Colina, ou no “jornal virtual” do fiel escudeiro: Pacheco.

É para isso que deve existir a imprensa independente, porque não se pode confiar na imprensa chapa-branca (ou, no presente caso, na imprensa “bunda-bronzeada”) quando a verdade desagradaria quem está no momento como "da situação".

Vamos ver a realidade das notícias que contam - e ainda pior: das notícias que não contam.

O Clube Naturista Colina do Sol relata novas visitas

Ida de novas pessoas. O leiloeiro mandou gente para contar quantas são as árvores que fazem parte do que será leiloado. O BRDE mandou topógrafos para demarcar as terras hipotecadas. Pelos boatos, Celso Rossi também deixou alguém vistoriar o hotel. Realmente, vai gente nova, sim.

Sobre as árvores, existe algo curioso. O Google Earth mostra que no terreno mais afastado, um dedo comprido que se estica para o norte, existem muitas árvores grandes e valiosas.

Porém, o Google Earth tem imagens antigas. As árvores não estão mais lá. Elas foram derrubadas, depois que os quatro da Colina foram injustamente presos, e sabemos que antes disto o portão secundário havia sido desativado e bloqueado - talvez exatamente para evitar que alguém passasse e notasse a retirada das árvores.

Falam que na filosofia do naturismo existe o respeito à natureza, ao verde. E as árvores? Amor ao verde, ou às verdinhas? Pois uma árvore madura, grande, pode valer muito. R$300 mil foi uma estimativa que ouvi do valor montante das árvores roubadas! Roubadas de todos os Colineiros. O dinheiro foi para onde? No balancete não aparece.

Se a Lua for de queijo verde, o Ratinho comeria?

Como todos sabem, a Colina acionou SBT por causa do “Programa do Ratinho” de 1999 em que alguns naturistas foram expostos às chacotas. Os indivíduos acionaram e ganharam. O CNCS então entrou com uma ação pedindo uma grana para a entidade, alegando danos a sua reputação conseqüentes do programa. E como já relatamos aqui, o referido caso está com a juíza para sentença.

Só que a juíza, MM. Ângela Martini, não deu a sentença. Fez apenas um despacho. Vamos ler.

R. h.
Converto o julgamento em diligências.
Trata-se de processo que consta da lista de urgência de que trata o Provimento nº 26 da Corregedoria Geral da Justiça. Anote-se.
Intime-se a parte autora para, no prazo de 05 dias, juntar seus atos constitutivos.

Bem, o CNCS foi constituído em 2001. Tem afirmado isso em muitos casos. Que é uma entidade nova, não é a mesma que era herdeira do Núcleo Gaúcho da FBRN, não é a que foi obra e obreira de Celso Rossi. A transferência das terras teria sido um ato refletindo isso - não foi um mero jogo de fachada para fugir do pagamento do julgamento da Sucessão de Gilberto.

Mas, se o CNCS foi fundado em 2001, como sofreu danos de um ato que ocorreu em 1999?

Não sofreu, é claro. Não sofrendo, ela perde. Perde, paga os custos do processo e os honorários do advogado da SBT. Que são proporcionais ao que foi pedido, o que é muita grana, mesmo. Que o CNCS não tem como pagar.

Tanto para a Colina quanto para as advogadas, Dra. Nina Turk e Dra. Vanessa Teixeira Müller, é uma situação mais do que “um pouco difícil”. Elas podem afirmar que são duas empresas diferentes, e com isto perdem este caso do SBT, e terão uma dívida judicial impagável; ou admitir que fossem sempre os mesmos sócios, e a mesma comunidade nudista - e que o pedido de falência (feito pelo CNCS contra Naturis) foi mesmo fraudulento.

Decisão difícil. Não sei o que devem fazer; aqui neste blog onde seguimos a política de "escreve sempre a verdade", não temos experiência com estes conflitos.

Até onde o penhor alcança

Já informamos aqui que as terras em que se situa a Colina do Sol estão penhoradas para garantir um dívida trabalhista que data de 1999.

Porém, não são todas as terras onde ela se situa. A área é composta de várias parcelas. Cinco, totalizando uns 25 hectares, tem matrícula no Registro de Imóveis, e estão penhoradas. Outros 17 hectares, mais ou menos, estão ocupados irregularmente tentando-se fazer usucapião, e, portanto, não estão incluídos no penhor.

Mas quem tem a casa penhorada, e quem não? Quem pode aguarda sossegado, quem corre o risco de perder seu investimento?

O CNCS não informa. O mapa antigo do loteamento não mostra as parcelas das quais ele é composto. Tenho uma idéia geral, mas não perfeita. Realmente, “parece” que a matrícula da qual o BRDE foi informado que é a onde fica o hotel, é aquela mesma. É uma das glebas que pertenciam ao Sr. Olívio da Silva - o pai do Sirineu, que a corja baniu da Colina, junta com sua família, apesar de possuir um Título Patrimonial do CNCS.

Vamos dar aqui algumas pistas (mas não todas). No lado leste da Colina, o primeiro vizinho no lado de fora, começando do canto no sul, passando o atual portão, indo para onde termina um pequeno dente - é uma área de 57.191,60 m2 que é dos herdeiros do Dr. DÉCIO JOSÉ SCHIRMER. Começando no recorte, e indo uns 350 metros, até a onde um poste marca a divisa, o vizinho ao leste das terras da Colina é ROBERTO FISCHBORN. No leste dele são as terras de AGEU CAETANO FONTES, que faz divisa (ao sul) com os SCHIRMER, mas não com a Colina.

Indo mais para o norte, há um recorte, grande. Aí, o vizinho ao norte da Colina é PEDRO FRANCISCO CARVALHO. Têm outros nos outros recortes: Zé Silveira, por exemplo. E os nomes das ruas por aí indicam os antigos donos: Rua Idalino José Correa, Rua Vendelino José de Silveira...

Mas quem quer saber sobre sua casa, que pergunte aos membros do Conselho, que com o dinheiro de todos, pagou um mapa - e sabem onde ficam as casas deles, e podem tomar decisões baseadas nisso.

Casos Pernambucanos

Há paralelamente dois casos Pernambucanos antigos. Em um, Imagem de menores de PE em 2004, o réu Marcelo Alves Pacheco talvez tenha pensado que havia escapado desta. Mas a Justiça de Pernambuco acabou de emitir outra carta precatória, outra forma de falar com o réu Pacheco, semana passada. E ele teve o descuido de aparecer num jornal impresso de Taquara. Como que ele vai fingir que não poder ser encontrado, quando está tão visivelmente presente?

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

As regras gerais da nação no feudo Naturista

EXMO. SR. DR. JUIZ DA 3ª VARA JUDICIAL FORO DE TAQUARA/RS

Proc. Nº 070/10900006485

c/ Renovação de Antecipação de Tutela

LEIDES DE OLIVEIRA e outros, já identificados e qualificados, por seu Procurador firmatário, respeitosamente comparece perante V. Excia., em face da contestação apresentada pelo demandado, para oferecer

RÉPLICA

O que faz nos seguintes termos:

01. INTEMPESTIVIDADE: Conforme protocolo de fls. 41, a defesa foi apresentada no dia 29 de maio de 2009. Em virtude de que a juntada do mandado de citação se deu em 13 de maio, consoante certidão de fls. 40v, a contestação foi intempestiva. Ante isto, preliminarmente Requer seja decretada a revelia e imposta condenação ao Demandado.

02. MÉRITO: Quanto ao mérito a defesa não consegue se desincumbir das imputações e pedidos. Chega ao ponto de não enfrentar as questões postas, optando por atalhos e tentativas de desvirtuamento, que somente enfatizam as práticas discriminatórias, atentatórias ao direito e ditosas de pretensa inaplicabilidade das regras gerais da nação no feudo Naturista, como se ali existisse um espaço enclausurado no país, onde a lei interna supera tudo e vale acima de tudo e de todos. É o suprasumo do despotismo e da arrogância.

03. O desvirtuamento já principia às fls. 41 quando tentam dar um caráter de acesso "ao Clube Naturista", por parte dos autores, quando se vindica o direito ao trabalho que, agora confessada vedação de adentrarem ao espaço do clube, impõe aos autores. A negativa de acesso é, portanto, confessada.

04. Nesta senda, equiparam o direito discutido na presente ação ao direito de associados e freqüentadores de naturismo, que não é o caso. E a alegada autonomia não pode afrontar constitucional direito ao trabalho, que é o resultado do que confessadamente pratica o requerido. Os autores não são associados e nem vindicam o acesso para usufruir e praticar o naturismo, com os equipamentos e instalações do Clube.

05. CARACTERÍSTICAS CONDOMINIAIS: Sorrateira e espertamente, a defesa deixa de considerar peculiar aspecto do funcionamento do demandado. Mas, ao dizer que os "residentes" tem regras para permanecerem no local, confessam que não se trata de um clube do tipo "clube do professor gaúcho", "jangadeiros", "veleiros" e "Leopoldina" como tentam parametrizar na defesa. Aquele são clubes ONDE NÃO HÁ RESIDENTES EM SUAS DEPENDÊNCIAS; DIFERENTEMENTE DO COLINA DO SOL, ONDE A TÔNICA É O ESTABELECIMENTO DE MORADIAS, COM COBRANÇA DE TAXAS TÍPICAS DE CONDOMÍNIOS, BEM COMO DE LUZ, ÁGUA E TELEFONIA, numa nítida situação, em que tal demandado se mostra totalmente diverso dos exemplos que tenta tomar como parâmetro para comparações. Ao conter em seus limites, diversas habitações, onde os associados são permitidos residir e dominar o espaço que adquirem por títulos patrimoniais, o Colina do Sol foge do lugar comum dos clubes de lazer; passa a ser e se comportar como um condomínio residencial, além dos aspectos do lazer e prática do naturismo. Com isto, a tentativa de comparação da defesa é descabida e somente dá conta do caráter despótico, prepotente e afrontoso de como age e se comporta o CNCS, por seus atuais dirigentes. Como "clube particular", se não tivesse as questões de condomínio, seria lícito invocar o que invocam nas fls. 43. Só que, ao conter em seus limites, residências e pessoas que necessitam demandar os serviços de outras, sobretudo no presente caso, onde o casal que havia contratado os trabalhos com os autores já são idosos e, detendo uma residência com mais de 200 m² necessitam contar com serviços para limpeza, manutenção e demais serviços, a prática seletiva, julgadora e que afronta os direitos de ir e vir, bem como ao trabalho dos demandantes é ilícita. Até poderiam ser supervisionados acesso e circulação de trabalhadores; jamais impedir e, até mesmo julgar e sentenciar como faz e confessa, pelos termos da defesa, o demandado. E também não se tratam de "visitantes", figura normal em qualquer clube de lazer. São contratados para trabalhar, em casa que se situa no interior do clube. E como admite a residência, adquire ânimo de condomínio e, portanto se sujeita ao dever de não impedir o ir e vir e o direito ao trabalho dos autores. Assim, o aresto de fls. 45 não tem analogia com o que se discute na presente ação. Não são freqüentadores e nem membros do clube.

06. E o estatuto, por se tratar de uma situação peculiar, não análoga a outros clubes de lazer, torna também inaplicável o aresto de fls. 46, sob pena de se estar admitindo a não vigência das normas gerais da sociedade brasileiro, nos limites do CNCS. Assim, AO CONTRÁRIO DO QUE AFIRMA A DEFESA, O DEMANDADO ESTÁ NO EXERCÍCIO IRREGULAR DE DIREITO. Se comporta e sustenta que a lei interna está acima de tudo e de todos.

07. Por sua vez, quando a defesa diz que houve motivações para impedir que Luciano fosse impedido de entrar nos limites do Clube, ligadas ao fato de que o mesmo havia sido associado do clube, foi excluído por inadimplência e também porque havia entrado com ação judicial para questionar eleição interna, demonstra todo o nítido autoritarismo e intolerância. Ao ponto de dizer que demandar em juízo é vedado, confessando então, mais uma afronta ao texto constitucional, que garante o acesso à justiça, sempre que o cidadão entender que houve lesão ou ameaça de lesão à direito, bem como praticando discriminação e preconceito, vedados pelo art. 5º da CF/88. Mais do que já havia sido perpetrado antes, agora, pela defesa confessa o comportamento afrontoso e discriminatório. É réu confesso.

08. E o comportamento antisocial e discriminatório se estende, pois Leides, a primeira autora, está sendo impedida por ser esposa de Luciano. Assim, além de desprezar o direito vigente, ainda praticam a odiosa extensão da pena para além da pessoa do apenado. Hitler deve "estar batendo palmas" ante tamanha prepotência e despotismo. Punir a esposa, pelo comportamento do marido é de uma ignomínia imensa.

09. E a questão de ser ex-sócio não pode ser considerada para tolher o sagrado direito de ir e vir e trabalhar dos autores.

10. Quanto a Ezequiel, a prática vedativa é justificada pela "suspeição". Continuando com as agressões morais aos autores, agora em relação do terceiro demandante tentam dar uma ilação de que também teria sido preso e investigado, tal como tentam dar a entender pelo final de fls. 47. Alegam segurança e, tanto para Ezequiel, como para Luciano e Leides, dizem que houve deliberação – leia-se julgamento – por parte dos Conselhos e órgãos superiores do Clube, onde estão banidos outros direitos, não só constitucionais, como da pessoa humana, como são a possibilidade de contraditório, ampla defesa e divergir. No feudo do CNCS tudo é sumário, despótico e imperial. A lei lá é outra. E a alegada "segurança" é pura mistificação. Os autores não oferecem qualquer ameaça à segurança de quem quer que seja no CNCS. Só querem ter o direito de trabalhar o que o clube tenta tolher.

11. E a prova está na declaração do sócio residente Frederic, além do fato de que, em nosso sistema é possível o contrato verbal. Incontestemente o demandado tolhe o direito ao trabalho dos autores e como tal deve ser punido. Aliás, os atuais comandantes do CNCS tudo fazem para tentar atingir o associado Frederic. E os impedimentos aos autores se insere nessa perseguição e práticas abusivas e despóticas.

12. Quanto ao dano, como o réu é confesso em afirmar que não permite o acesso dos autores para trabalharem na residência do associado Frederic, que se situa dentro do Condomínio Colina do Sol, a lesão é não só materializada, como quantificável. Isso em termos materiais. Em termos morais, além da situação de serem tolhidos a obter melhores ganhos, pois somente os moradores da Colina é que tem condições na localidade, para melhor remunerar os nativos da região como são os autores, o comportamento do demandado aumenta os prejuízos, pois atinge a psique e a moral dos autores. Agora ainda mais agravada, com as motivações que dizem justificar o ilegal comportamento, sentenciando sumariamente as pessoas e fazendo ilações de que seriam, até mesmo "criminosos", tudo muito lesivo à reputação e imagem dos autores. Ao contrário do que afirma a defesa, os danos são efetivos e, tal como pedido na inicial devem ser reparados. Impedir de trabalhar, sobretudo quando a chance é de ganhos mais significativos e acusar sem fundamentos são razões e motivos para condenar o requerido.

13. GRATUIDADE DE JUSTIÇA: Ao contrário do que vindica o requerido, o mesmo não se enquadra nos moldes para fazer jus ao benefício. NEM MESMO DECLARAÇÃO DE CARÊNCIA É TRAZIDA AOS AUTOS. E, quem arrecada substanciais valores mensais, que chegam a valores superiores à R$ 20.000,00/mês, mantém um vistoso "site" na internet e cobra taxas condominais e de luz, água e telefonia, com polpudos sobrepreços não pode ser beneficiado com gratuidade. Se fosse o caso, deveria o demandado comprovar nos autos a carência, o que não foi feito. Aliás, está na própria defesa: a Gratuidade só se destina aos que "comprovarem a carência". Assim, não deve ser contemplado com o benefício legal.

14. Impugnam-se os documentos juntados com a defesa, porquanto somente secundam as práticas ilícitas e afrontosas do requerido.

Replicando de forma genérica o que não tenha sido feito por trato específico, Requer seja recebida a presente manifestação e designada audiência de instrução, para, ao final, julgar totalmente procedente a ação, nos integrais termos pedidos na prefacial.

Por sua vez, como a demandada é ré confessa, inclusive acentuando as agressões morais, por justificativas que configuram confissão e ampliação das práticas atentatórias e abusivas, forte no Art. 273 do CPC, novamente REQUEREM SEJA CONCEDIDA TUTELA ANTECIPADA, DETERMINANDO O DIREITO DO AUTORES EM TER ACESSO AO LOCAL DE TRABALHO, PARA REALIZAREM OS SERVIÇOS PARA O COLINEIRO FREDERIC LOUDERBACK E SUA ESPOSA, EXPEDINDO ORDEM AO DEMANDADO E COMINANDO PENA DE "ASTREINTES" PARA O CASO DE DESCUMPRIMENTO.


N. Termos
E. Deferimento
Taquara, 31 de julho de 2009
P.p.: Dr. PEDRO ROBERTO SCHUCH
OAB/RS 39.635

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Liberdades reconhecidas

Sexta-feira dia sete, uma nova Nota de Expediente foi publicado no caso Colina do Sol. A nota é um convite de contemplar a natureza e a importância de liberdade: da pessoa, de ir e vir, de informação, e da imprensa.

Nota de Expediente Nº 195/2009

195/2009 7/8/2009 2ª Vara da Comarca de Taquara
Nota de Expediente Nº 195/2009
070/2.07.0002473-8
À Defesa de Frederick para que indique o endereço e o órgão exatos para onde pretende sejam encaminhados os ofícios da petição das folhas 4.581/4.582. Vista as partes dos laudos juntados.

  1. Mantenho a decisão de folhas 4600/4601, quanto à restituição dos computadores, por seus próprios fundamentos.
  2. Sobre a possibilidade de os réus Frederick e Barbara prestarem serviço voluntário, deixo de me manifestar uma vez que desnecessário provimento jurisdicional para tanto.
  3. Defiro o pedido de devolução de passaporte de Barbara. Assim o faço, por dois motivos: primeiro, porque o mesmo foi entregue voluntariamente pela ré; segundo, porque a mesma teve o pedido de prisão preventiva revogado, não subsistindo qualquer condição para que permaneça em liberdade.
  4. Demonstrado o interesse jurídico, defiro o pedido do Grupo Editorial Sinos S/A.
  5. Cumpra-se o último despacho.
Intimem-se.
Taquara, -

A liberdade de ir e vir

Devolvendo seu passaporte, Dra. Ângela destacou que Barbara tem sua liberdade restaurada, "não subsistindo qualquer condição para que permaneça em liberdade."

Ela pode ficar, ou ir para São Paulo, ou ir para os EUA visitar seu médico, e conhecer seu neto mais novo. Ela precisa estar em Taquara quando a Justiça exige (ainda que isso foi dispensado quando a logística falha do Estado não providenciava a presença dela ou dos outros).

Mas estritamente falando, nem isso é preciso. Há um tratado de cooperação jurídica entre Brasil e os EUA que permitiria a Barbara responder de lá. O juiz federal de Sinop, MT, entendeu assim com os pilotos do Legacy. O advogado dos três pesquisadores americanos presos em Corumbá MS em junho se apoio nisso quando os três, passaportes em mãos, voltaram para casa.

"...desnecessário provimento jurisdicional para tanto"

Algo que todos nós sonhamos quando crianças, é que crescendo, poderíamos fazer o que queríamos, sem pedir permissão para ninguém. Ir a cama na hora que queríamos, comprar o brinquedo desejado ... Não é tão simples assim, descobrimos. Ganhamos obrigações na medida que ganhamos liberdades, ou até mais.

Mas ganhamos umas liberdades, sim. O direto de escolher quem vem para nossa casa, em que trabalhamos, quem empregamos se tivemos cacife para tal.

A liberdade específica que Fritz e Barbara ganham neste despacho é a de continuar como o trabalho da associação New Faces, interrompido pelas suas prisões.

Mas não foi que ela não diz nada? Ela não simplesmente diz desnecessário qualquer permissão sua?

Sim, leitor, sim. Mas você não vive na sombra do pequeno reino de terro do Clube Naturista Colina do Sol. A mãe de um suposto "vítima" precisou deixar seu trabalho de babá, ano passado, devida as ameaças da corja: foi informada que alguém contaria para o Fórum que ela estava trabalhando com crianças. Tuca, o "Diretor de Disciplina", já fez boletim de ocorrência falso dizendo que Fritz e Barbara estavam levando menores para sua casa.

Com sua afirmação de que é "desnecessário provimento jurisdicional", Dra. Ângela demoliu a imagem que a corja sempre tentou passar, de que a Justiça é seu fantoche. Ela acabou com o bicho-papão que o CNCS usava para assustar sócios, funcionários, e vizinhos.

...defiro o pedido do Grupo Editorial Sinos S/A.

Algum pedido não-identificável foi feito pela empresa responsável pelo Jornal NH e outros publicações da região, de padrão no máximo duvidoso.

Antes de mais nada, clarifico que a cobertura que o Jornal NH deu às prisões no caso Colina do Sol ultrapassava a sensacionalista para chegar claramente no criminal. Grande parte da imprensa brasileira parece ter como meta falar tão mal possível de qualquer acusado, sem cruzar a linha fatal. Isso exige boa técnica, e bons advogados.

Mas Jornal NH, julgado pela sua cobertura, pulou de cabeça. Em águas desconhecidos. E, como já descobriu, rasas.

O que seria o patamar de indenização por uma acusação falso destes, dado com destaque máxima e cuidado inexistente? Imagino que o Grupo Sinos já deveria ter feito esta pergunta, e encontrou a resposta no poeta John Donne: "Não perguntas por quem os sinos dobram, dobram por tí."

Só que não sabemos a natureza do pedido. Primeiro estranhei que veio não do jornal, mas do "S/A", e que a juíza citou o "interesse jurídico." Porém, o pedido deve ter sido feito por um advogado, que tanto pelo hábito quanto pelo papel timbrado, escreve em nome da S/A; e a juíza citando o "interesse jornalística" seria tão estranho quanto um editor citando "interesse jurídico". Cada macaco no seu galho.

O jornal quer ver algo que está no processo, visando um "retratação espontânea" que reduziria o valor do eventual indenização? Ou recebeu "informações" que examinou com o mesmo cuidado que as acusações iniciais - aparentemente nenhum - e quer as colocar no processo, visando uma condenação, aliviando seu bolso?

Não sabemos. Não sabemos, também o que seria "a petição das folhas 4.581/4.582." Todos as acusações sabemos pelos jornais, tudo que a polícia alega foi par a televisão antes de ir pro inquérito, mas quando é a vez da defesa falar, vem a mordaça.

Vista as partes dos laudos juntados

Aqui, encontramos de novo a dificuldade do "sigilo de Justiça." Que laudos são estes? E o que eles dizem?

O problema não é somente nosso, mas dos advogados também. Consegui o laudo do FBI fora do sigilo, traduzi e publiquei aqui com explicações e até ilustrações. Assim qualquer um pode entender o que aquilo disse: o FBI nada encontrou, não queria admitir, e resolveu encher linguiça. Até no inglês era difícil entender, imagine como está no processo com um tradução ao preço da tabela.

...quanto à restituição dos computadores

Aqui vemos de novo o problema da cerceamento da defesa, causado pelo "sigilo da Justiça".

Vamos aos fatos. Todos as vítimas, menos um, negam que houve qualquer crime. O único que diz que foi abusado, mente.

Como sei disso? Porque tenho de fontes confiáveis que ele disse que me viu na casa do Dr. André Herdy antes das prisões, e eu não tinha passado em Rio Grande do Sul desde antes que o moleque nasceu. Ele disse que nadou na piscina do Fritz, e na casa do Fritz não há piscina. Q.E.D., o moleque mente.

Um dos principais "evidências" contra Dr. André é uma foto desta moleque, com uma peruca lilas. A foto faz parte de uma série, em que o moleque coloca a peruca, Cleci coloca a peruca, André coloca a peruca e a irma da Cleci também coloca a peruca. Todas este fotos, digitais, estão no computador do Dr. André, com as devidas dados que mostram a data e a hora em que foram tirados. A serie de fotos serve como prova de exatamente o que aconteceu aquela tarde - todo mundo experimentou uma peruca ridícula.

A polícia já sabe que está lá, foi de lá que extraíram duas fotos. Sabe que vendo a série completa de fotos, a alegação policial de que estas fotos sugeriam atos indecentes, seria exposta para o que é, uma fraude. Com o computador, Dr. André poderia comprovar a verdade, sem o computador, fica a palavra de um moleque que mente, e que pode ser distorcido por policiais, assistentes sociais, e psicólogos.

Em tempo: a foto do moleque de peruca só existia no disco rígido do computador. A foto foi mostrado para mim no CPI (sem compromisso de sigilo) junto com um papel da polícia dizendo que esta e outras fotos foram encontradas num CD. Que é cabalmente falso.

Calunia, lembrem, é uma acusação falsa de um crime, e a acusação que faço é verdadeira, e comprovável. O que eu escrevo não é crime, o que a polícia escreveu, é.

Uns passos para frente, mas ainda o sigilo

Permanece, ainda o "sigilo da Justiça". Enquanto ele permanece, a farsa continua em pé. Na hora que o sigilo cai, o caso desmorona também, para o alivio tanto dos acusados quando do erário público, que está bancando a despesa absurdo desta caça às bruxas.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Pedra Grês sai de baixo

Na minha visita mais recente a Taquara, consegui uma entrevista com o novo Diretor de Mineração do município, Clovis Moreira da Silva, que me contou muito sobre a pedra de Morro da Pedra.

A pedra grês concorre, para calçadas, com basalto da serra gaúcha, e ardósia de Santa Catarina. É usado também para lajes, e em blocos mais espessos para alicerces. Com o aumento em preço de basalto, e o começo de beneficiamento de pedra grês, o produto está encontrando mercados novos e indo mais longe.

Basalto: mais duro, mais caro

A pedra ígnea basalto, mais duro, e encontrado na Serra Gaucha, como por exemplo na região de Nova Prata. As calçadas na região comercial de Taquara são feitos de basalto, mais durável do que a pedra grês. Vem encarecendo porque a Serra é coberto com mato nativo, e novos leis ambientais dificultam a remoção da vegetação, para chegar à pedra. Com poucas pedreiras, o preço vem subindo.

Pedra grês: valor varia com densidade

A pedra grês é mais mole do que basalto, mas há variações de dureza, cor e preço. Tanto mais duro, melhor e mais caro. Geralmente, começando uma pedreira, a pedra de cima é mais mole, e endureço tanto mais fundo a escavação desce. Uns lugares tem pedra mais dura em cima, mas a maioria não.

O preço médio de pedra grês no momento varia de R$50 a R$60 o metro cúbico na pedreira. As pedreiras de de mais difícil acesso, e as pedras mais moles, são mais baratas.

Indo mais longe

Cruz Alto, Sobradinha, Taquari são uns lugares que tem recebido lajeados e outra formatos de pedra grês. "Já tá indo bem mais longe do que dez, quinze anos atras, devido ao aumento do preço de basalto." Porém, pedra é um produto em que o frete encarece muito. "Pessoas vem de longe, mas na hora de ver o transporte, inviabiliza", diz Clovis.

Uso à vista crescendo

Na minha primeira vista a Taquara, notei o uso de pedra grês nas calçadas da cidade, e para fazer alicerces em construções novas. Ambos são usos que nunca encontrei antes, e que seriam de alto luxo nos Estados Unidos. Porém, encontrei muito pouco uso aparente ou decorativa da pedra. A pedra é semelhante em aparência ao "brownstone" típica das casas de Manhattan do século passado e retrasado, que dependendo da qualidade, dura de 5 a 200 anos.

"Não temos esta cultura" de usa pedra grês a vista, diz Clovis, "mas tem gente beneficiando, serrando, lixando," apontando um beneficiador na RS20, perto da parada 122, a Arenito Möller. "Tá criando um mercado novo." Há também gente na próprio Morro da Pedra, em que a pedra vai da lavoura direta para as galpões para beneficiamento.

Variações de cores

A cor mais típica de pedra grês é marrom, mas "há amarelo, camurça, e umas quase brancas. Poucos, mais tem."

Desafios

A pedra grês é um arenito, formado por camadas no fundo do mar, quarenta milhões de anos atras. Desde então, o mar virou serra, as camadas dobrando e virando. Clovis aponta que a mão de obra está ficando mais difícil. "Tem que entender as veias, como cortar. Não é mão de obra desqualificado."

Máquinas não adaptam bem à pedra grês

"O serviço é muito bruto, e tem que mecanizar". Porém, as máquinas são feitos para trabalhar no nível, e as pedreiras deste arenito precisam seguir as veias da pedra. Trabalhar num inclinação pode quebrar o disco da máquina, e os discos são caros. Poucos máquinas, como o "rompedor", são usados nas pedreiras de Morro da Pedra.

Meta de regularização

Um novo lei permite que o município legaliza pedreiras de até dois hectares. A prefeitura assumiu um compromisso, diz o diretor de mineração, e "vai legalizar tudo mundo."

Isso não quer dizer uma liberação geral, mais que todos estariam colocados em conformidade com a legislação. A prefeitura "quer passar a limpo, colocar a casa em ordem". Ao longo do tempo, ou até num tempo curto, a prefeitura pretende regularizar as pedreiras, e Clovis não esconde sua satisfação de que o produto nativa da terra de Taquara está encontrando novos e mais nobres usos, num território maior.